Home arrow Nutrologia arrow Transgênicos arrow Tudo sobre alimentos transgênicos
Tudo sobre alimentos transgênicos Imprimir E-mail
09 de agosto de 2007
ALIMENTOS TRANSGÊNICOS

 
 O termo “transgênico” tem aparecido com muita freqüência nos meios de comunicação, mas existem inúmeras pessoas que ainda não sabem bem o que significa. 

Como o assunto engloba conceitos científicos e termos técnicos, tentaremos torná-lo menos obscuro.


CONCEITO



O termo transgênico significa a transferência de genes de um organismo para outro, produzindo uma nova substância. 

A técnica que permite tal procedimento chama-se engenharia genética ou tecnologia do DNA recombinante.




Organismos geneticamente modificados (OGM) são plantas, animais ou microorganismos que sofrem alteração genética através da técnica do DNA recombinante. 
Os OGM podem ou não ser transgênicos. 

Quando o organismo recebe genes de outros da própria espécie, ele é considerado geneticamente modificado; quando a transferência de genes é entre espécies diferentes, além de geneticamente modificados, são também transgênicos.


NOÇÕES SOBRE A PRODUÇÃO DE OGM


Os genes são unidades do DNA (ácido desoxirribonucléico), que se encontra no núcleo das células e é responsável pela transmissão das diversas características aos descendentes.
 
Para se chegar ao OGM é necessário: identificação do gene que possui a característica desejada; multiplicação desse gene; modificação do gene; preparação do organismo receptor; seleção, regeneração da planta e fixação da característica desejada.


VANTAGENS


A biotecnologia abrange várias técnicas que utilizam o DNA recombinante para gerar produtos ou serviços.

Dessa forma, a biotecnologia proporciona avanço na produção de alimentos e uma intervenção específica nos problemas nutricionais mundiais.


Universidades na Suíça e Alemanha estão testando um tipo de arroz modificado, que ao tornar-se rico em carotenóides, pode ajudar a combater a deficiência de vitamina A.  


No Canadá e EUA produz-se óleo de soja com alto teor de ácido oléico, tipo de gordura vegetal mais saudável para o organismo.  


No Brasil, a Embrapa é responsável por vários avanços tecnológicos como: milho com maior teor de metionina (melhora nutricional); variedades de feijão que resistem às pragas e herbicidas; mamão resistente ao vírus que provoca uma doença chamada mancha anelar.


RISCOS POTENCIAIS 


Um dos efeitos adversos mais temidos é a possibilidade dos indivíduos adquirirem resistência a antibióticos, sofrerem reações alérgicas e serem vítimas da toxicidade dos produtos. Outro tipo de preocupação seria o impacto ambiental que os OGM poderiam causar.  


Existe o receio de que genes com características de resistência a antibióticos, presentes em algum alimento modificado, possam ser transferidos para microorganismos do trato intestinal em homens e animais. É pouco provável que esses genes sejam transferidos, uma vez que demandaria uma conjunção de eventos extremamente rara.


O método de engenharia genética permite a transferência precisa de um único gene para a espécie receptora e dessa forma é capaz de evitar eventuais episódios de alergia.


 


Existe uma metodologia para testar em OGM substâncias de importância nutricional, antinutricional e toxicológica.
 
Os protocolos para a verificação da toxicidade dos alimentos produzidos por biotecnologia não diferem daqueles usados para analisar a segurança de qualquer produto.



PERSPECTIVAS FUTURAS 

 


A maioria das plantas geneticamente modificadas que já existem, tem características agronômicas melhoradas ou reprodução facilitada. Os animais por sua vez, apresentam maior crescimento ou novas enzimas que aumentam sua eficiência alimentar.


Existe, entretanto expectativa para outras possibilidades como:


  • redução dos níveis de toxinas naturalmente encontradas em vegetais
  • culturas com menos pesticidas
  • frutos mais resistentes à fungos
  • alimentos com altos teores de antioxidantes
  • alimentos com melhor qualidade nutricional

Alguns exemplos de alimentos que se beneficiariam com a modificação genética:


  • Abacaxi: aumento no teor de açúcares
  • Ameixa, mamão, melão, morango, pêra: amadurecimento retardado
  • Alface: menos deterioração pós-colheita
  • Arroz: maior teor de amido e melhoramento da proteína
  • Batata: maior teor de amido e maior resistência à doenças
  • Brócolis: maior tempo de vida útil
  • Café: redução no teor de cafeína
  • Girassol: melhor qualidade protéica
  • Maçã: aumento de carboidratos e alteração no amadurecimento
  • Mandioca: melhor composição nutricional
  • Tomate: alteração no perfil de açúcares, elevação na proporção de licopeno, aumento de enzimas antioxidantes
  • Trigo: melhor digestibilidade e melhor qualidade protéica
  • Uva: incremento de sabor

As expectativas atuais estão focadas na segunda geração de produtos geneticamente modificados como o aumento de ácido esteárico em óleos de milho e canola, que dispensa a hidrogenação química e consequentemente a formação de ácidos graxos trans. 


Outra possibilidade muito valiosa, diz respeito à criação de variedades com maior tolerância a seca, salinidade do solo, frio ou calor, que permitam o cultivo de sementes em regiões adversas, de forma a suprir a demanda mundial por alimentos.  


A população ainda tem muito receio em aceitar e consumir produtos geneticamente modificados e esse medo se deve porque o novo sempre assusta, pois, é um produto, ainda, desconhecido. Por isso, é natural que as pessoas tenham receio das coisas novas, entendemos também que a população ainda tenha dúvidas quanto à segurança desses produtos em virtude das campanhas que vêm sendo disseminadas pelos grupos que são contrários a tecnologia por razões ideológicas.  Estas campanhas acabam servindo para prestar um des-serviço à sociedade uma vez que assustando as pessoas ao invés de educá-las.

O termo transgênico significa a transferência de genes de um organismo para outro, produzindo uma nova substância. 
Última Atualização ( 09 de agosto de 2007 )

 

Copyright 2000 - 2007 Mambo Foundation. All rights reserved.
Mambo is Free Software released under the GNU/GPL License.

Endereço:
Av. Santo Amaro, Nº 5.830 - São Paulo -SP
Tel/Fax: 5183-3030 ou 5182-3838 Email: clinicaq@clinicaq.com.br
Convênio com estacionamento: Av. Santo Amaro 5.762