Whats: (11) 9.6913-1889

February 19, 2018

November 13, 2017

November 13, 2017

Please reload

Posts Recentes

Consulte um profissional competente

Antes de pensar em fazer alguma dieta, ou em tomar alguma atitude com a finalidade de emagrecer ou melhorar sua com...

O QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA EMAGRECER COM SAÚDE E DEFINITIVAMENTE

November 13, 2017

1/6
Please reload

Posts Em Destaque

Esteatose Hepática (fígado gorduroso)?

September 8, 2017

Uma vez comprovado o diagnóstico de doença hepática gordurosa não alcoólica, isto é, acúmulo de gordura no fígado de causa metabólica, as próximas etapas são avaliar a seriedade do quadro e determinar uma tática de tratamento. Neste texto, vamos perceber quais os principais pontos no manejo da esteatose hepática.

 

 

Pode parecer um tanto desanimador, mas de todos os tratamentos já averiguados para o manejo da esteatose hepática, somente a perda de peso apresenta uma relação benefício/segurança adequada. Ou seja, para que o acúmulo de gordura e a inflamação no fígado diminuam, a perda de alguns quilos deve ser o enfoco! Em um estudo, a perda de 9% do peso garantiu melhora na inflamação das células do fígado em 72% dos indivíduos com esteatose. Nos que reduziram apenas 0,2% do peso, a melhora foi de 30 por cento.

 

A agilidade do emagrecimento também parece ser importante. Quando a perda de peso é maior que 1 quilo por semana, pode agravar dos danos ao fígado. Agora, dietas muito limitativas podem ser danosas.

 

Nas pessoas com dificuldade em reduzir peso, o uso de drogas como inibidores do apetite pode ser benéfico, desde que adequadamente preconizados e devidamente associados à mudança no estilo de vida. Atividades físicas regulares e uma nutrição caracterizada principalmente por alimentos integrais (frutas, vegetais e cereais integrais),

pobre em carboidratos refinados (açúcar, farinha branca, doces e produtos altamente processados) e com a presença de peixes (fonte de ômega 3) são muito bem acolhido.

 

Como os pacientes com esteatose hepática estão em risco de apresentar tanto complicações cardiovasculares quanto hepáticas, o tratamento de outros fatores de risco para essas comorbidades deve ser estabelecido. Em outras palavras, os níveis de glicemia, de colesterol, de triglicerídeos e da pressão arterial devem ser seriamente monitorados e tratados. Além do mais, o consumo de álcool e cigarros deve ser profundamente desencorajado, e os pacientes ainda não imunizados precisam ser vacinados para hepatites virais.

 

Dos medicamentos até hoje avaliados para o tratamento específico da esteato hepatite não alcoólica, somente a vitamina E mostrou redução mais potente na fibrose hepática. No entanto, seu uso é reservado para pacientes não diabéticos, sem doença vascular documentada e com biópsia do fígado mostrando fibrose, já que seu uso indiscriminado está associado a aumento no risco de morte.

 

Alguns outros fármacos estão sendo verificados dentro de estudos clínicos, mas até o momento nenhum mostrou perfil de eficácia e garantia apropriada quando o objetivo é o tratamento da doença gordurosa hepática.

 

Em síntese, a terapia do fígado gorduroso se ampara na modificação do estilo de vida com foco na perda de peso, além da abordagem apropriada dos demais fatores de risco para complicações cardiovasculares e hepáticas. O uso de medicamentos é privado para casos escolhidos.

 

Também conhecida por enfermidade hepática gordurosa, gordura no fígado ou fígado gorduroso, a esteatose hepática é uma categoria cada dia mais comum, que pode aparecer também na infância e atinge mais as mulheres. A estimativa é que 30% da população apresentem o problema e que aproximadamente metade dos portadores possa evoluir para formas mais graves da doença.

 

Share on Facebook
Share on Twitter